Transfer Executivo e Segurança Privada são a mesma coisa?

Transfer Executivo

Transfer Executivo

Conheça agora as diferenças entre Transfer Executivo e Segurança Privada

Algumas pessoas ainda confundem, mas na hora de contratar serviços que estejam relacionados à segurança é preciso ter muita certeza e clareza em relação ao que você precisa ou irá precisar em uma determinada situação. Dois serviços que podem ser contratados juntos, ou separadamente, são o de transfer executivo e segurança privada que não são a mesma coisa.

A Segurança Privada contempla a segurança pessoal, que deverá ser prestada por motoristas e/ou agentes com curso de Vigilante de Segurança Pessoal Privada – VSPP. É importante compreender que o veículo nada mais é do que somente o meio de locomoção.

Como definir a segurança privada?

Basicamente enquadram-se como segurança privada toda atividade voltada à vigilância e defesa de patrimônio ou segurança física de pessoas, de forma armada e desarmada. Regulamentada por leis federais, essa atividade só deve ser exercida por empresas legalmente constituídas e devidamente autorizadas pela Polícia Federal.
Além disso, os profissionais de vigilância devem, obrigatoriamente, ser formados em cursos especializados, possuir a CNV (Carteira Nacional de Vigilante) e passar por reciclagens periódicas, pois a profissão de vigilante é regulamentada, possuindo direitos e deveres previstos em lei. Dentre os vários serviços oferecidos pela segurança privada estão a vigilância patrimonial, segurança pessoal e a escolta armada.

A legislação de segurança privada é regida pela lei nº 7.102/83, pelo decreto nº 89.056/83 e pelas portarias nº 992/95 e nº 358/09. Para atuar, uma empresa necessita cumprir diversos requisitos, a fim de garantir a qualidade nos serviços prestados. A autorização de funcionamento das atividades de segurança privada é concedida pelo DPF apenas quando a empresa passar por uma vistoria, a fim de saber se ela possui as instalações físicas corretas.

Devem ser apresentados requerimentos como o comprovante de recolhimento de taxa de vistoria das instalações e o livro destinado ao registro de armas e munições. Após a aprovação das instalações físicas, o certificado será autorizado pelo Superintendente Regional. Para saber se a empresa de segurança está regularizada, visite o portal do DPF. Lá, você deverá fazer uma consulta, verificar o CNPJ da empresa e ver se ela cumpre os requisitos necessários e assim evitar desgastes e problemas desnecessários no futuro.

Como definir o transfer executivo?

Já o transfer executivo, que tem como objetivo realizar a locomoção de um cliente de um ponto a outro, com segurança, agilidade, conveniência, praticidade e tranquilidade, enquadra-se na área de Tecnologia e Serviços, e não é controlado pela Polícia Federal. Por isso, é preciso contratar uma empresa que ofereça profissionais altamente treinados e qualificados para executar este serviço. Os motoristas devem ser treinados para prevenção em situações de risco em direção defensiva e evasiva, e os veículos adequados (podendo ser inclusive blindados) para a execução do transporte também podem ser utilizados.

 



Comente via Facebook

Compartilhe: