Quais os tipos de uniformes utilizados pelos vigilantes?

Quais os tipos de uniformes utilizados pelos vigilantes

Os uniformes utilizados por vigilantes, primeiramente, precisam proporcionar o máximo de segurança e conforto para que o profissional possa exercer sua função, que é proteger e fiscalizar bens, patrimônios e pessoas.

Tanto o uniforme quanto os acessórios que serão utilizados, precisam ser escolhidos de acordo com o tipo de atividade que será exercida, o tipo de ambiente e o grau de risco do local de trabalho.

A parte estética dos uniformes também é de grande importância para as empresas, pois podem diferenciar claramente o vigilante dos demais colaboradores, além de criar uma padronização. Se tratando de segurança, é importante que sejam identificados facilmente e que garantam o caráter ostensivo, exceto na segurança pessoal.

Regras

Obrigatoriamente, o uniforme do vigilante não pode ser semelhante ao utilizado pelas forças armadas, órgãos de segurança pública federais e estaduais e guardas municipais.

Caso ocorra mudanças no uniforme já autorizado para exercício, a empresa precisa possuir a declaração dos órgãos citados informando a diferenciação dos uniformes, ou seja, que estão autorizados a serem utilizados.

É proibido por lei utilizar o uniforme fora do ambiente de trabalho, levando em consideração que o uniforme faz parte da empresa e que não é seguro o vigilante circular com ele pelas ruas, podendo ser alvo de criminosos.

O uniforme dos vigilantes deve também ser adequado às condições climáticas do lugar, de modo que não prejudique a atividade dos mesmos.

Uniformes utilizados pelos vigilantes

Conforme a Portaria 3.233/2012 do Departamento de Polícia Federal, que dispões sobre as normas relacionadas às atividades de Segurança Privada, os uniformes dos vigilantes devem seguir as seguintes orientações:

Art. 149. O uniforme do vigilante é obrigatório e de uso exclusivo em serviço, devendo possuir características que garantam a sua ostensividade.

§ 1º A fim de garantir o caráter ostensivo, o uniforme deverá conter os seguintes elementos:

I – apito com cordão;

II – emblema da empresa; e

III – plaqueta de identificação do vigilante, autenticada pela empresa, com validade de seis meses, constando o nome, o número da Carteira Nacional de Vigilante – CNV e fotografia colorida em tamanho 3 x 4 e a data de validade.

§ 3º A validade da plaqueta de identificação do vigilante poderá ser aposta de forma a ser substituída a cada vencimento sem que seja necessária a reprodução de todo o documento.

Art. 152. A empresa que prestar serviços de vigilância em indústrias, usinas, portos, aeroportos, navios fundeados em águas nacionais ou em outros estabelecimentos que venham impor riscos à incolumidade física de seus vigilantes, deverá adotar, além do uniforme, equipamentos de segurança necessários ao desempenho do trabalho, tais como capacetes, botas, óculos, cintos especiais e outros necessários, observadas as regras de segurança do serviço a ser executado.

Art. 153. As empresas especializadas e as que possuem serviço orgânico de segurança poderão possuir mais de um uniforme autorizado, podendo um deles ser terno ou paletó, observadas as peculiaridades da atividade e o local de prestação do serviço, bem como os requisitos do art. 149, §1º.

Fazem parte também do uniforme do vigilante, a bota, o coldre, boné e colete à prova de balas.

É importante frisar que o uniforme é sempre escolhido para proporcionar conforto e segurança ao vigilante, passando confiança para pessoas que circulam pelo local.

Gostou do nosso conteúdo? Deixe seu comentário e compartilhe este artigo nas redes sociais.



Comente via Facebook

Compartilhe: